Observatório do Feminicídio promove debate sobre lutas feministas, racismo, masculinidades e direitos humanos

Observatório do Feminicídio promove debate sobre lutas feministas, racismo, masculinidades e direitos humanos
3 de dezembro de 2021

Dentro da campanha mundial “21 dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres”, o Observatório do Feminicídio Bríggida Lourenço (OBL) da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) realiza o debate “Dialogando sobre lutas Feministas, Racismo, Masculinidades e Direitos Humanos”. A atividade será na sexta-feira (10), a partir das 9h, com transmissão pela Rede UEPB no YouTube.

O OBL e a organização da atividade, que inclui a professora Ivonildes Fonseca, vice-reitora da UEPB, afirma que a atividade será um momento de ampliação do diálogo sobre a violência baseada em gênero e uma oportunidade de unir as pautas do 20 de novembro – Dia da Consciência Negra; 25 de novembro – Dia Internacional da Não Violência contra as Mulheres; 6 de dezembro – Dia do Laço Branco/Homens pelo fim da Violência contra as Mulheres e o 10 de dezembro – Dia Internacional dos Direitos Humanos.

Na roda de diálogos participarão Hildevânia Macêdo, psicóloga e integrante da Articulação de Mulheres Brasileiras e do Movimento de Mulheres Negras na Paraíba; Agassiz Filho, professor de Direito da UEPB; Najila Martins, formada em Direito pela UEPB e atual mestranda em Serviço Social na Instituição; e Valdonilson Barbosa, professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e pesquisador na área de gênero. Na oportunidade, também será feito o lançamento do vídeo “Homens da UEPB pelo fim da Violência contra as Mulheres”, que conta com a participação de técnicos, pró-reitores, professores e estudantes da instituição.

Visibilidade de causas e lutas
O Observatório Bríggida Lourenço tem desenvolvido ações de prevenção à violência contra as mulheres, envolvendo diferentes segmentos da comunidade interna da UEPB e a sociedade em geral. A campanha de ativismo contra a violência vem sendo realizada desde 1991 em mais de 150 países por organizações da sociedade civil, iniciativa privada e poder público, tendo como objetivo conscientizar a população a respeito dos diferentes tipos de agressão cometidos cotidianamente contra as mulheres e meninas e a necessidade do engajamento da sociedade para a erradicação dessas violências.

Começou com uma campanha de 16 dias de ativismo contra a violência de gênero, iniciativa internacional patrocinada pelo Centro para Liderança Global das Mulheres, mobilizando mais de 3.700 organizações em cerca de 160 países. Para delimitar o período da campanha, inicialmente foram escolhidas as datas de 25 de novembro (Dia Internacional Contra a Violência Contra as Mulheres) e 10 de dezembro (Dia Internacional dos Direitos Humanos), a fim de vincular simbolicamente a violência contra as mulheres e os direitos humanos, enfatizando que essa violência constitui uma violação dos direitos humanos das mulheres.

Durante este período, também ocorrem outras datas significativas, como o Dia Mundial da Aids (em 1º de dezembro) e o Dia Nacional de Mobilização dos Homens pelo Fim da Violência contra as Mulheres (6 de dezembro). No Brasil, agora a campanha acontece de 20 de novembro a 10 de dezembro e é chamada 21 Dias de Ativismo, pois inclui o Dia da Consciência Negra, considerando a dupla vulnerabilidade da mulher negra.

A atividade da UEPB será aberta a quem desejar assistir e para os inscritos neste link haverá emissão de certificado de participação. Outras informações podem ser obtidas no site http://observatoriodofeminicidio.uepb.edu.br/ do observatório e pelo e-mail obl@setor.uepb.edu.br.

Texto: Juliana Rosas